segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Resenha n° 05 - O Homem de Todas as Minhas Vidas


Título: O Homem de Todas as Minhas Vidas

Autor: Vanessa Bosso

Editora: Independente

Páginas: 349

Classificação: 4 estrelas

Sinopse: O Homem de Todas as Minhas Vidas - Qual mulher não quer amar e ser amada além da vida? Melhor ainda, por todas as suas vidas?

Lise reconhece que o amor pode ser um presente e também uma maldição. Nascida com o dom de relembrar todas as suas vidas anteriores, ela sabe que sua alma gêmea sempre conseguiu encontrá-la, independente das adversidades, alcançando seu coração com aqueles belos olhos violeta.

Recorda-se, com amargura, que sua felicidade ao lado daquele homem nunca durou, já que suas vidas sempre terminaram em sangue, dor e morte.


Disposta a mudar o seu destino, resolve fugir do mundo e viver em uma pequena cidade perdida no meio do nada, longe de tudo... inclusive, da possibilidade de amar.


Mas ninguém foge ao seu destino.


O reencontro com o homem de todas as suas vidas já está escrito e o amor ressurgirá de forma avassaladora, acionando de imediato o cronômetro que os levará a uma nova tragédia.


Mesmo conhecendo o desfecho, será que Lise manterá sua sanidade e resistirá a esse homem? Poderá ela mudar o final dessa história? E afinal, por que isso acontece vida após vida?


O Homem de Todas as Minhas Vidas mostra como os verdadeiros sentimentos podem ultrapassar o tempo e espaço. Prepare-se para viver uma trama cheia de reviravoltas, fantasmas do passado e do presente e, mais do que tudo, uma verdadeira celebração à vida como só Vanessa Bosso seria capaz de fazer.


Skoob

Não poderia ter feitos escolhas mais acertadas para essa Maratona Literária de Carnaval. Cada livro uma emoção diferente, leituras que me fizeram pensar de maneira diversa.

E mais um livro nacional que acaba com o meu coração em determinada parte, mas acho que estou me apressando, vou falar um pouco da história e depois volto nesses sentimentos.

"Que a morte descortina uma infinidade de opções, novas possibilidades de crescimento e até de redenção."

O livro é narrado em primeira pessoa, pela Elise (que não gosta muito do seu nome, prefere ser chamada de Lise) que logo nos explica o porquê de sua vida tão pacata assim. Lise se lembra de suas vidas passadas (7) e de como todas envolviam uma paixão avassaladora por um certo homem de olhos violetas e aos poucos, conta como cada uma dessas existências passadas acabaram de maneira trágica, com os amantes sendo assassinados de maneira brutal.

Lise não consegue entender como pode se lembrar de cada detalhe e que as pessoas não acreditam quando ela contava os fatos ocorridos, desde a sua infância, tendo inclusive sido obrigada a procurar auxílio psiquiátrico. Até se convencer de que não adiantava "lutar" com a desconfiança das pessoas e decidiu-se não só a não comentar, como tentar se esconder desse destino que insistia em levá-la ao grande amor de sua vida e a sua consequente morte.

Diante desse fato, Lise decide morar em uma cidade bem pequena, vive entre seu artesanato e ajuda no restaurante de sua avó (a única a entendê-la sobre suas lembranças de vidas passadas). Tudo está tranquilo na sua vida, até conhecer o subdelegado e um certo professor.

A partir daí, tudo parece sair do seu controle, Lise fica perdida entre revelar seu conhecimento e o que deve fazer, ficar e tentar mudar o seu destino ou fugir novamente.

Engraçado, pra dizer o mínimo é que outro dia mesmo, estava em uma conversa sobre leitores que leem um pouco de tudo, nem que seja para conhecer novos estilos e eis que me deparo com um livro que é diferente dos 3 livros anteriores que li da Vanessa Bosso. Talvez por isso tenha demorado um pouco a me empolgar com a leitura, porém isso não pode ser levado para o lado negativo, muito pelo contrário.

Deixa explicar melhor. É que a narrativa demorou um pouco para me empolgar, meio natural, visto que a personagem estava dividida entre contar detalhes que se lembrava das vidas passadas, ao mesmo tempo em que nos deixava a par dos acontecimentos atuais.

Depois de alguns capítulos, já sabendo o rumo dos fatos, fui me apegando aos personagens e torcendo a cada virar de páginas. E uma determinada parte me fez sentir aquele aperto no coração e vontade de pegar os personagens no colo, um sentimento que tive em vários livros ao longo do último ano. Será que estou ficando muito sentimental?

E algo me diz que alguns outros livros da Vanessa Bosso vão me surpreender tanto quanto esse. Alguém duvida?