quinta-feira, 16 de abril de 2015

Resenha n° 08 - A Mais Pura Verdade




Título: A Mais Pura Verdade

Autor: Dan Gemeinhart

Editora: Novo Conceito

Páginas: 224

Classificação: 5 estrelas e favoritado


Sinopse: Em todos os sentidos que interessam, Mark é uma criança normal. Ele tem um cachorro chamado Beau e uma grande amiga, Jessie. Ele gosta de fotografar e de escrever haicais em seu caderno. Seu sonho é um dia escalar uma montanha.


Mas, em certo sentido um sentido muito importante , Mark não tem nada a ver com as outras crianças.


Mark está doente. O tipo de doença que tem a ver com hospital. Tratamento. O tipo de doença da qual algumas pessoas nunca melhoram.

Então, Mark foge. Ele sai de casa com sua máquina fotográfica, seu caderno, seu cachorro e um plano. Um plano para alcançar o topo do Monte Rainier. Nem que seja a última coisa que ele faça.



A Mais Pura Verdade é uma história preciosa e surpreendente sobre grandes questões, pequenos momentos e uma jornada inacreditável.

Skoob


"Sozinho, estou deixando meu lar.
Uma nova jornada, uma nova estrada.
Para as montanhas agora."


Desde os primeiros comentários sobre esse livro, fiquei empolgada e com vontade de lê-lo. E olha que nem sou muito fã de livros sick lit (sick: doença, lit: literatura), se bem que não lembro de ter lido livros desse gênero, pelo contrário, tenho fugido de vários que me indicam, mas isso não vem ao mérito da questão por agora.

A história é contada sob dois aspectos: por um lado Mark nos apresenta sua fuga de casa, acompanhado do seu fiel cãozinho Beau e outro de sua família que está ávida por notícias do garoto.

Mark é um garoto franzino, com um câncer que vai e volta ao longo de anos de sua infância, agora ele tem 12 anos e sonha escalar uma montanha, visto que foi a última promessa que fez ao seu avô. Acompanhamos sua jornada, suas aventuras e desventuras. Esse é aquele tipo de livro em que você lê com o coração na mão, com vontade de adentrar no livro para ajudar o garoto e o cão, dar apoio, um ombro amigo, ou apenas conhecer mais da história de bravura de ambos.

Em contrapartida, temos os pais de Mark, desesperados por encontrar o filho, para que o mesmo inicie um novo tratamento, pois há pouco tempo descobriram que a doença do garoto voltou. E também temos a narrativa da melhor amiga de Mark, Jess que sempre esteve presente, nos bons e maus momentos, dividindo alegrias e tristezas. Mark deixou um bilhete para a amiga, contando onde estaria indo e a mesma fica dividida entre ajudar as autoridades ou honrar a promessa de fidelidade ao amigo.

Mark carrega uma pequena bagagem e nos brinda com alguns haicais (poemas japoneses formados de três versos, onde o primeiro e terceiro são compostos de 5 sílabas e o segundo de 7 sílabas), que nos demonstram o quanto o garoto é sensível e perspicaz quanto à sua condição física e psicológica.

Por meio de uma narrativa envolvente e personagens cativantes, a leitura é rápida e emocionante. Não dá para largar enquanto não terminar a história.

Prepare-se para a emoção e já deixe a caixa de lenços do lado.