sexta-feira, 10 de julho de 2015

Como Conheci n° 01 - Os livros da Agatha Christie


Inaugurando um novo espaço aqui, que surgiu com uma pergunta recorrente, e vai abranger vários temas e/ou autores ao longo do tempo.

Não é segredo que sou fã da Agatha Christie, também conhecida como "Dama do Crime". Podem imaginar quantas vezes tive de responder como conheci os livros dela e por que me interessei por eles? Aqui vou tentar sanar essa dúvida, espero que seja esclarecedor.

Desde criança assistia a diversos filmes na televisão. Adorava especialmente os que abordavam temáticas policiais, o mais irritante nesses casos era que o assassino era sempre o mordomo. Ao conversar com algumas pessoas, alguém me falou das histórias da Agatha Christie, pois não seria facilmente surpreendida com seus desfechos, muito pelo contrário. E fui desafiada. Um fato sobre a minha pessoa: dependendo do desafio, só me faz ficar com mais vontade de conhecer e cumprir. (Isso com devidas proporções, alguns autores NUNCA entrarão na minha lista por algum desafio feito, então não tenham ideias estapafúrdias).

Um belo dia, passando na frente de uma banca de jornal, vi o tal objeto do desejo: um dos primeiros títulos de uma coleção da Agatha Christie. Não tive como resistir e a partir da leitura do primeiro livro, fui literalmente fisgada por sua genialidade, não somente em relação às tramas, as quais já havia sido avisada, mas aos personagens, ambientação, narração, enfim... virei fã incondicional. 

Talvez o primeiro livro seja o que mais gostei dentre todos os lidos dela. Seja porque a detetive era genial, porque era de uma fase mais apurada da escrita da Agatha Christie, por ter me enganado de uma maneira tão magistral. Uma releitura pode ajudar a esclarecer. Será?

Outro ponto que sempre me perguntam é sobre os livros em si, o porquê virei fã da autora. Simplesmente por Agatha ter sido uma pioneira nesse gênero, por ter inovado a maneira com que os crimes são cometidos, por quem, pelos detetives, tramas e como são descobertos.

Interessante foi ter visto uma resenha a alguns meses e, a pessoa reclamar dos diálogos nos livros da Dama do Crime, achei engraçado por ser esse o ponto que mais gosto nos livros dela... não fica perdendo tempo em descrições infinitas de cenários e personagens, quero ação em livros policiais, não quero perder tempo, mas claro que isso é a minha opinião. Talvez por isso não tenha gostado tanto do livro que a J.K. Rowling escreveu sob pseudônimo de Robert Galbraith, por ter páginas e mais páginas de descrição e, talvez por isso mesmo não tenha lido ainda o segundo livro, mesmo tendo opiniões bem favoráveis. E O Chamado do Cuco teve um final previsível demais, mas voltando à Duquesa da Morte...

Dizem que os livros seriam para se ler uma única vez e que perdem a graça, mas é outro ponto que discordo. Seja por não ter muitos livros disponíveis para ler, seja o meu encantamento por esses livros que comecei a comprar, passei anos lendo e relendo diversas vezes vários livros dela e, olha... apesar de muitas vezes lembrar quem era o assassino, o interessante era "investigar" junto com o detetive e tentar achar pontas soltas. Claro que isso não é possível, visto que a Agatha tinha um método infalível: na hora de escrever, começava o primeiro capítulo, onde apresentava seus personagens e depois ia escrever o desfecho, assim depois iria para o restante do livro.

Tudo que estou falando aqui é da minha memória, por fazer bastante tempo que terminei de ler os livros dela, então se tiver algum equívoco, peço desculpas. E, por isso mesmo que estou para iniciar um projeto de releitura dos livros da Dame Agatha, agora de uma maneira totalmente diferente: na ordem de lançamento. E, talvez só fazer uma modificação: iniciar pela Autobiografia, para tentar acompanhar as referências aos livros publicados.

Seria um projeto sem datas limites, com resenhas apaixonadas e sem spoilers. O que acham? Acompanhariam lendo os livros ou as resenhas?